E-commerce – O seu site vende os seus produtos ou serviços?

O e-commerce (como é conhecido o comércio online) criou um novo conceito de vendas e de marketing, através das vendas online. Você vende no seu site?

Há alguns anos a internet tem transformado (e muito!) praticamente tudo o que as pessoas fazem em seu dia a dia, sendo que ela passou a ser uma tecnologia indispensável na vida de todos e, principalmente, das empresas.

Em 2019, o e-commerce cresceu quase 40% no Brasil, em apenas um ano. Esses números certamente tendem a crescer, considerando que as inovações digitais no comércio eletrônico, não param. Por isso, acompanhar essa tendência e mostrar a sua marca na internet, é fundamental para quem deseja expandir seu negócio, alcançando o sucesso almejado.

Como criar um site vendedor

Tudo indica que quem ainda não vende pela internet, terá que fazê-lo em breve. Para fazer parte do universo do e-commerce e aumentar as vendas, é preciso investir na construção de uma “loja online”.

É preciso que seja (i) segura, (ii) prática e (iii) tecnicamente estruturada para que tenha visibilidade. 

Não basta ser bonito, é necessário compreender o que o Google observa, e se estruturar para aparecer melhor nas buscas.

Dicas importantes para quem vai fazer seu e-commerce:

Marcos Oliveira, fundador da empresa InternetSP, trabalha há mais de 23 anos com confecção e posicionamento de sites e hoje atende todo o Brasil. Perguntamos para ele as 06 dicas mais importantes para a visão do empresário, sobre o e-commerce:

1. A senha é tua! Segundo o Marcos, é enorme a quantidade de empresas que enfrenta problemas porque deixa tudo com o profissional que monta o site, desde a senha de acesso para manutenções, até mesmo a senha para o registro do domínio. Ele perdeu a conta da quantidade, porque é algo que acontece muito: se a pessoa morre, resolve cobrar o dobro, surta ou ganha na loteria, e some, o empresário entra numa fria e muitas vezes até perde o investimento feito até o momento, em alguns casos, até o nome do site, após anos de uso. Hoje, você tem as senhas do seu site e do seu domínio? E, tem também um contrato com o prestador, dizendo que são suas?

2. No celular. Se você está acostumado a trabalhar num escritório, seja de computador ou notebook, lembre-se: o pessoal que vai comprar, cada vez mais, vai fazê-lo no celular! Lembre-se de ver como ficou na tela do celular. Hoje em geral temos pelo menos meio a meio e aumentando: experimenta, testa, fica atento ao celular.

3. Distribuir bem a verba, no tempo. Por exemplo, fazer um site mega estruturado e não reservar uma verba de divulgação para colocá-lo numa boa posição (seja através do Ads, ou mails marketing, ou outras soluções de divulgação), principalmente nos primeiros dois anos. Ou vice versa. Para ter resultado, é preciso planejar com estratégia e inteligência a equação entre a montagem do site, a sua divulgação e o tempo que vai ser necessário para alcançar as suas metas.

4. Escreva tudo que for combinado, para evitar mal entendidos. Pela natureza da tarefa, construção de sites, é comum o cliente ir falando e o prestador ir anotando e, lá na frente, fica a palavra de um contra a palavra de outro. E o cliente não tem conhecimento técnico. A obrigação de quem vai fazer o site, é antes de fazer, mostrar um desenho detalhado de como vai ficar e explicar com detalhe e profundidade o motivo de ser feito dessa forma.

5. SEO (Search Engine Optimization) ou “Otimização de Mecanismo de Busca”: Existe uma cartilha técnica complexa e – muito - longa de detalhes que fazem com que o Google “enxergue” melhor o seu site, nas buscas. É o SEO. Por exemplo, responsividade, formatos das fontes, uso das fotos e vídeos, a não repetição de textos e sua utilidade, como são montados os títulos e subtítulos, os certificados ssl e https, a frequência de publicações nos blogs, o uso de boas palavras chaves, a velocidade no carregamento, nossa (!) é uma lista com centenas de aspectos. Para você vender bem, é preciso que sua loja virtual leve essa cartilha em consideração, para seu site e sua oferta serem bem ranqueados nas buscas dos seus futuros clientes.

6. Como será feito o trabalho nas redes sociais? Essa é uma pergunta chave para o sucesso do seu e-commerce. De novo: estratégia e inteligência. Hoje o Face, Insta, YouTube e etc, caminham tão juntos, que além de reforço, praticamente, juntos determinam o resultado. É uma coisa só. É preciso trabalhar nas redes a mesmo tempo em que se trabalha na loja. 

É bom negócio?

Segundo o Marcos Oliveira, é um excelente negócio, porque:

  • Você aumenta seu faturamento (com proporcionalmente pouco aumento de custo);
  • atinge regiões distantes, onde não têm pontos de venda;
  • vende 07 dias por semana, 24 horas por dia, sem gastar com funcionários nesses momentos;
  • pode se integrar com marketplaces e ferramentas financeiras e de gestão;
  • expõe maior variedade de produtos e pode produzir ou comprar, conforme vierem os pedidos; você divulga, vende, produz ou compra, recebe e somente depois entrega; é uma sequência mais favorável, até para o fluxo de caixa.

  • Um outro aspecto que vale destacar na análise do tema, é a necessidade atual de uma empresa ter mais de um canal de venda, de preferência, todos que conseguir. Cada vez mais, isso é necessário para competir, e sobreviver. Distribuidores, representantes comerciais, equipe CLT, lojas próprias, e-commerce, representantes, vendedores porta a porta, franqueados e o que mais conseguir.

    Enfim, isso do e-commerce é uma daquelas coisas que um bom tempo atrás, era algo para poucos, visionários, mais corajosos e isolados; mas atualmente é um quesito básico para estar de pé no mercado.

     

    Quer saber mais?

    Fale com a InternetSP:
    http://www.internetsaopaulo.com.br/
    Chamar no WhatsApp (11) 9-8977-2630
    E-mail: resultados@internetsaopaulo.com.br


    Mais artigos